É possível acumular o pagamento de adicional de periculosidade e insalubridade?

Tempo de leitura: 02 minutos

SCC_Pagamento_Insalubridade_Periculosidade

Os especialistas do Spadoni, Carvalho & Cunha prepararam esse material para esclarecer uma dúvida recorrente acerca da (im)possibilidade de acumular o adicional de insalubridade com o adicional de periculosidade, quando o trabalhador estiver exposto a situações de perigo e em um ambiente insalubre ao mesmo tempo.

Para que todos os questionamentos relacionados ao tema sejam esclarecidos, seguem as considerações jurídicas pertinentes sobre a definição de adicional de insalubridade e adicional de periculosidade.

Adicional de insalubridade:

  • É devido quando o trabalhador exerce atividades com exposição a agentes que podem causar danos à saúde e à integridade física.
  • Deve ser pago mediante laudo confirmando a existência de agentes insalubres sem efetiva neutralização/extinção por Equipamento de Proteção Individual (EPI).
  • Tem como base a análise do agente causador da insalubridade, que pode ser físico, químico ou biológico. A exemplo, citamos agentes comuns nas empresas que provocam a insalubridade: ruído, vibração, calor, radiação, contato com hidrocarbonetos, compostos de carbono, lixo urbano e afins.
  • Possui valor “variável”, a depender do grau de insalubridade do agente, podendo ser aplicado os percentuais de 10%, 20% ou 40% do salário mínimo.

Adicional de periculosidade:

  • É devido quando o trabalhador exerce atividades e operações perigosas para sua saúde e integridade física.
  • Deve ser pago mediante laudo confirmando a existência de situação/operação perigosa.
  • Possui valor “fixo” de 30% do salário do trabalhador que está exposto ao perigo.

Para servir como exemplo, citamos atividades comuns nas empresas que são consideradas perigosas:

– Operações que envolvam explosivos;
– Inflamáveis;
– Energia elétrica;
– Segurança patrimonial;
– Condução de motocicleta e afins.

Feitos os esclarecimentos acerca dos adicionais, passamos a enfrentar o tema principal do presente artigo preparado pelo time de especialistas do SCC: “É possível que um trabalhador receba ambos os adicionais (periculosidade e insalubridade) se ficar comprovado que exercia atividade perigosa em ambiente insalubre?”

Neste ponto, informamos não ser possível acumular esses dois adicionais, devendo o trabalhador optar pelo que lhe for mais benéfico.

O artigo 193 da CLT possui previsão da opção do empregado pelo adicional de periculosidade ou de insalubridade. Até mesmo a Constituição Federal sugere a alternatividade no pagamento dos referidos adicionais (art. 7º, XXIII).

Não obstante o exposto, muito se discutiu na Justiça do Trabalho sobre a possibilidade de acúmulo dos percentuais. Um dos argumentos utilizados em Reclamações Trabalhistas foi o motivo diverso dos adicionais, um para situação de perigo e outro para situação de insalubridade, sendo que a exposição a ambos os agentes não poderia afastar a percepção de um dos adicionais.

Todavia, a doutrina e jurisprudência são majoritariamente contrárias ao pagamento de dois adicionais de forma acumulada, apontando para a necessidade de escolha do empregado pelo adicional mais benéfico.  

Para fundamentar o exposto, veja abaixo decisão do TST sobre o tema:

INCIDENTE DE RECURSOS REPETITIVOS. ADICIONAIS DE PERICULOSIDADE E DE INSALUBRIDADE. IMPOSSIBILIDADE DE CUMULAÇÃO, AINDA QUE AMPARADOS EM FATOS GERADORES DISTINTOS E AUTÔNOMOS. INTERPRETAÇÃO SISTEMÁTICA DO ORDENAMENTO JURÍDICO. RECEPÇÃO DO ART. 193, § 2º, DA CLT, PELA CONSTITUIÇÃO FEDERAL. (…) Gramaticalmente, a conjunção “ou”, bem como a utilização da palavra “adicional”, no inciso XXIII do art. 7º, da Carta Magna, no singular, admite supor-se alternatividade entre os adicionais. 4. O legislador, no art. 193, § 2º, da CLT, ao facultar ao empregado a opção pelo recebimento de um dos adicionais devidos, por certo, vedou o pagamento cumulado dos títulos, sem qualquer ressalva. (…)  7. Há Lei e jurisprudência consolidada sobre a matéria. Nada, na conjuntura social, foi alterado, para a ampliação da remuneração dos trabalhadores no caso sob exame. O art. 193, § 2º, da CLT, não se choca com o regramento constitucional ou convencional. 8. Pelo exposto, fixa-se a tese jurídica: o art. 193, § 2º, da CLT foi recepcionado pela Constituição Federal e veda a cumulação dos adicionais de insalubridade e de periculosidade, ainda que decorrentes de fatos geradores distintos e autônomos. Tese fixada. Recurso de embargos conhecido e desprovido.

(TST-IRR-239-55.2011.5.02.0319)

Por tudo exposto e com respaldo em recorrentes decisões judiciais, nós, do time SCC,  defendemos a impossibilidade de acumular o adicional de periculosidade com o adicional de insalubridade, devendo o trabalhador receber apenas um adicional, mesmo que exposto a situações perigosas e insalubres.

Se ainda restarem dúvidas acerca do tema, você pode entrar em contato com um dos especialistas do nosso escritório.

Facebook
Twitter
LinkedIn

Receba nosso conteúdo

Fique por dentro dos assuntos jurídicos com o conteúdo do nosso time.